Ajude a manter esse site!!!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Educação Musical: Série Pedagogias: Método Willems 4 - Algumas Considerações sobre a aula de iniciação musical

Educação Musical Willems

Algumas considerações sobre a aula de Iniciação Musical

Carmen Mettig Rocha

Willems no seu caderno zero insiste em diferenciar “princípios de método”. O primeiro refere-se aqueles princípios básicos que serão adotados e validos do começo até o fim do trabalho musical. O método é a maneira como se desenvolve todo o processo. Esse é pessoal, elaborado de acordo com a vivência, experiência e possibilidades do professor.
A primeira finalidade do educador, diz ele, seria a de despertar a vida nas crianças, favorecer a sua espontaneidade e a sua expressão pessoal. Somente desta forma conseguirá a adesão e a participação ativa da criança.
No plano de trabalho apresentado em seu caderno nº 0 Willems apresenta:

As Canções - Sempre com objetivos definidos

a) Canções simples para principiantes
b) Canções preparatórias para a prática instrumental
c) Canções de intervalos
d) Canções com nome de notas etc.

O importante é que as canções, embora fáceis, sejam centradas na beleza do canto. O acompanhamento deve ser simples e claro, despertando desde cedo o valor das funções tonais.

O desenvolvimento auditivo - com o objetivo de educar sensorialmente, a sensibilidade afetiva e a consciência mental (através dos nomes das notas, graus da escala etc. )
Na primeira etapa, o importante é fazer OUVIR, RECONHECER e REPRODUZIR sons diversos. Para isso utiliza-se um ilimitado material sonoro que o professor deve achar por iniciativa própria. Mais tarde, utiliza-se também o EMPARCEIRAMENTO, CLASSIFICAÇÃO e ORDENAÇÂO dos sons. (aulas individuais ou em pequenos grupos).
A diferenciação dos sons graves e agudos e o sentido de subida e descida dos sons (movimentos sonoros) são bastantes trabalhados, o que facilitará a posterior leitura e grafia musical.

No que se refere a VIDA RÌTIMICA, os exercícios propostos são de ordem estritamente musical, com o objetivo de despertar e desenvolver o sentido rítmico (instintivo e consciente) enriquecendo desta forma a imaginação motriz, dinâmica, chave da vida rítmica interior. Depois de toda a fase de batimentos livres, ritmos com palavras, frases, o sentido de tempo, pose-se passar para a fase de consciência rítmica, através dos compassos, da métrica. É o cálculo métrico que mede o tempo que passa.

A MARCHA expressa os diferentes andamentos, também como valores qualitativos expressivos, e não só no seu valor quantitativo.

Um certo VOCABULÁRIO MUSICAL, sem teoria será empregado (ritmo, som, intervalo, andamento etc).

O método Willems também enfatiza a INVENÇÃO, de uma forma natural e viva.
Trabalha-se também os NOMES das NOTAS, os GRAUS das ESCALAS e os INTERVALOS.

Daí é um passo para a leitura e escrita musical por RELATIVIDADE no início; (tomada no sentido das relações tonais, porém obedecendo a altura absoluta do som) para chegar a leitura e escrita ABSOLUTA com a utilização das claves.
Trabalhando todos esses elementos, de forma ORDENADA e VIVA, o professor leva o aluno ao instrumento e ao estudo do solfejo propriamente dito.

Partindo da VIDA, o professor só poderá alcançar êxito no trabalho com sua turma. Prosseguirão então sem dificuldades o estudo da música, como fonte de prazer e valioso enriquecimento pessoal.


Bibliografia
Willems Edgar - Le Valeur Humaine d’ Education Musicale
Oreille Musical I e II
Caderno nº 0
As Bases Psicológicas da Educação Musical


Nenhum comentário:

Postar um comentário